Facebook

Twiiter
YouTube

 

O Aedes Aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue, também transmite a febre amarela

 

Nos últimos dias, o Brasil tem registrado alguns casos de febre amarela. A doença necessita de cuidados e o melhor remédio é a prevenção. Os produtores rurais também devem estar atentos. Segundo o Ministério da Saúde, até quinta-feira (26), foram registrados 550 casos suspeitos, dentre eles, 72 foram confirmados e 23 descartados. O estado de Minas Gerais ainda concentra o maior número de registros, c

meio rural

om 502 casos, em 51 municípios.

A melhor forma de prevenir a doença é a vacina. A população, principalmente da zona rural, deve ficar atenta para manter o calendário de vacinação em dia. O esquema de vacinação adotado pelo Ministério da Saúde contra a febre amarela é de duas doses da vacina, sendo uma dose aos noves meses de idade e um reforço aos quatro anos. No portal do Ministério da Saúde, a coordenação do Programa Nacional de Imunização esclarece que a partir dos 5 anos de idade, quem nunca tomou a vacina ou não tem conhecimento de ter tomado deve receber a primeira dose e um reforço, após 10 anos.

 

A imunização é recomendada para toda a população das áreas com recomendação da vacina e pessoas que vão viajar para regiões silvestre, rurais, ou de mata dentro dessas áreas. Com o aumento dos casos, alguns municípios do Espirito Santo, do Rio de Janeiro e da Bahia foram incluídos nas áreas de recomendação. As ações de vacinação também foram intensificadas, com buscas ativas na zona rural e o envio de doses extras para algumas regiões.

Sobre a doença


A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por vetores artrópodes, que possui dois ciclos epidemiológicos distintos de transmissão: silvestre e urbano. O principal hospedeiro do vírus da doença é o macaco. Na mata, a febre amarela silvestre é transmitida por picada de mosquitos Haemagogus e Sabethes, que vivem em matas e vegetações à beira dos rios.

Já na cidade, a doença é transmitida pelo Aedes Aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue. Saiba mais aqui.

 

 

Fonte: SEAD

Jovens estudantes assentados da reforma agrária, de Iturama, terão a oportunidade de estudar agronomia e levar o conhecimento para as comunidades rurais, por intermédio do deputado federal Zé Silva (Solidariedade/MG), foram promovidas diversas ações, junto ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra, para que o convênios com a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), fosse aprovado, através do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). O termo que disponibiliza 50 vagas foi assinado no dia, 22 de maio, durante solenidade em Iturama. 21255fa9 6112 4314 8362 3a1c81bb8aac

 

“Educação é a melhor maneira de mudar a vida de crianças, jovens e adultos que vivem nos assentamentos e comunidades rurais. Esta ação vai além, do meu cargo como parlamentar é uma ação de inclusão social das populações rurais, para que sejam assegurados seus direitos de cidadania e também uma educação de qualidade, que no futuro trará oportunidades de trabalho e garantirá a renda ", disse o deputado Zé Silva.

 

 

Presentes na solenidade, Ana Lúcia de Assis Simões, reitora da UFTM;Darlene Mara dos Santos Tavares, pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, Irani Rosa Nunes, chefe de gabinete da UFTM, Fabrício Anibal Corradini, diretor do Campus Universitário de Iturama; Ewerton Giovanni dos Santos, diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento, José Alves Filho, superintendente regional substituto do Instituto em MG, Coordenador Geral de Educação do Campo e Cidadania. Iradel Freitas da Costa Anderson Golfão, prefeito de Iturama, além de representantes da Câmara Municipal de Iturama e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais.

 

 

O Pronera apoia projetos na educação voltados para o desenvolvimento das áreas de reforma agrária, já atendeu 167,6 mil alunos na Educação de 

d3e4e407 ddea 4eee 8d35 aaffdbd94319

Jovens e Adultos (EJA), formou 9,1 mil no Ensino Médio, graduou no Ensino Superior 5,3 mil pessoas, viabilizou cursos de especialização a 1,7 mil graduados e 1,5 mil na pós-graduação Residência Agrária Nacional.

 

O curso. A metodologia de ensino será por meio da pedagogia da alternância, com atividades na universidade e nas áreas rurais, onde vivem os alunos. As aulas devem ocorrer de julho de 2017 a dezembro de 2022.

“A parceria vai incentivar a integração da universidade com as comunidades rurais e o desenvolvimento dos assentamentos, com o acesso as novas tecnologias, orientação técnica e produção de conhecimento específico”, afirmou a reitora da UFTM, Ana Lúcia de Assis Simões.

 

Incentivos - Por meio do curso os estudantes, vão poder acessar benefícios de auxilio do início até a finalização da graduação, por meio das bolsas de incentivo. Os estudantes contam com ajuda de custo no deslocamento, alojamento e alimentação.

 

3a928cd7 661b 46b5 8c72 831aa6589976“Uma importante conquista. Feliz em fazer parte desse projeto, que possibilitará mudar significativamente a história de vida desses jovens que buscam, novos conhecimentos, por meio de incentivos educacionais”, destaca o prefeito Anderson Golfão.

 

“Os estudantes de agronomia terão a oportunidade de conhecer o solo onde residem e tornar a terra fértil, garantindo assim, alimento para o consumo das famílias dos assentamentos e também gerar economia e renda para toda a região”, conclui Zé Silva.

Horticultores do Sul de Minas mobilizados

 

Zé Silva*

Na semana passada, por proposição do deputado estadual Dalmo Ribeiro, atendendo a demanda de produtores do Sul do Estado, mais especificamente dos horticultores da microrregião dos municípios do Polo de Incentivo a Cultura do Morango no Sul de Minas, a Assembleia Legislativa realizou audiência pública tratando das condições de financiamento e necessidade de renegociação de dívidas com os agentes financeiros.morango

 

Região de grande horticultura em Minas, dada a proximidade com os fortes mercados paulistas, os produtores demandam essa renegociação principalmente junto ao Banco do Brasil. De acordo com um dos lideres do setor, o secretario municipal de Agricultura de Senador Amaral, nosso amigo e parceiro Demétrio Padilha, as condições adversas de mercado estão inviabilizando a atividade na região, com os preços ao consumidor bem abaixo dos custos de produção.

 

Participaram da audiência representantes do Governo estadual, da Emater-MG e do Banco do Brasil, técnicos e produtores da região e parlamentares. A expectativa é de que se chegue a uma nova relação com os agentes financeiros, sobretudo com o alongamento das dividas atuais, ate que o mercado se estruture melhor com a recuperação da economia.

 

Nesse sentido, a audiência foi importante para se conhecer em detalhes os impactos que a situação tem provocado na economia regional e local dos municípios, primeiro passo para superação do quadro. Essa superação é fundamental para dar continuidade a diversos projetos de hortifrutigranjeiros em andamento. Entre os quais o fortalecimento do Polo da Cultura do Morango na Região Sul de Minas.

 

Criado com o Projeto de Lei 20.619, do deputado Dalmo Ribeiro, e sancionado pelo Governo Anastásia, o Polo reúne 24 municípios produtores de morango, que comercializam o produto principalmente para São Paulo, mercado consumidor mais próximo da região. A atividade responde por milhares de empregos diretos e indiretos na região, e demanda altos investimentos, que só são possíveis de manter com um mercado consumidor aquecido. E infelizmente não é o caso neste momento, com a economia brasileira ainda em seus primeiros movimentos de recuperação. Mas não se pode parar. Nesse sentido, e com a satisfação de ser parceiro dos horticultores sul-mineiros nesse projeto, nossos esforços são para viabilizar um laboratório para produção de mudas de qualidade, estrutura para garantir um produto de alta qualidade, com economia para os produtores e condições melhores para a ocupação dos mercados consumidores.

 

(*) Agrônomo, extensionista rural,deputado federal pelo Solidariedade/MG

O deputado Federal Zé Silva (Solidariedade/MG), propõe a Casa Civil da Presidência da República, que reestruture o crédito fundiário, para assegurar a compra de terras por famílias de baixa renda.

Aumento no valor do crédito de 80 para 140 mil, individualização na renegociação das dívidas com o banco da Terra, além, da parceria entre o governo Federal, ministérios das Cidades e de Minas e Energia e a participação ativa da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), foram propostas apresentadas pelo deputado Zé Silva, durante audiência pública, nesta terça-feira, 16, na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, da Câmara dos Deputados.DSC 0712 600x399

 

Grupo de trabalho - Criado por meio de portaria da Presidência da República, para analisar o Programa Nacional de Crédito Fundiário, execução, parcerias institucionais e sistemas de apoio, entre outros fatores.26 550x366

Presentes no debate Subsecretária de Reordenamento Agrário da Secretária Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário – MDA, Raquel Santori; Secretário Adjunto de Políticas agrícolas e Meio Ambiente do Ministério da Agricultura, Ivandré Montiel da Silva; Coordenador-Geral de Planejamento e Participação Social do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – MPDG, Rodrigo Ramiro; Gerente da Diretoria de Agronegócios do Banco do Brasil, Ana Amélia de Carvalho Palmeira; Gerente Executivo do Banco do Nordeste - Ambiente de Microfinança Rural e Agricultura Familiar, Máximo Antônio Cavalcante Sales e o Presidente da Anater, Valmisoney Jardim.

 

“O grupo já definiu que é necessário aumentar a renda máxima anual das famílias aceitas no programa, dos atuais R$ 30 mil para R$ 35 mil, e do prazo de financiamento de 20 anos para 25 anos. Os novos contratos já viriam com assistência técnica garantida. Hoje, 70% dos contratos não tiveram essa assistência. As taxas de juros continuariam entre 0,5% e 2% ao ano", explicou Raquel Santori, da Secretaria de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário.

 

OKKKL 600x399Crédito Fundiário - O programa de Crédito Fundiário é desenvolvido em 21 estados, atende cerca de 2.300 municípios, beneficiando 142 mil famílias, atualmente são mais de 63 mil contratos e 3,1 bilhões sendo R$ 600 milhões de recursos de investimentos não reembolsáveis para as famílias da Linha de Financiamento de Combate à Pobreza Rural.

 

"O País está vivendo uma mudança de paradigmas e que é preciso tratar desigualmente os desiguais. O perfil social tem que ter um olhar diferente, com programa social para a efetiva consolidação da agricultura familiar. Essas pessoas, esses agricultores, eles já estão na terra, eles estão produzindo”, disse o representante do Ministério da Fazenda, Ivandré da Silva.

 

O deputado Zé Silva, esclareceu que é indispensável manter as taxas de juros mais baixas para os agricultores familiares. “É indispensável medidas legislativas para a renegociação das dívidas e individualização dos débitos de agricultores que compraram terras em contratos coletivos. É necessário ainda a reestruturação do crédito fundiário antes do anúncio do Plano Safra da Agricultura Familiar, que ocorrerá em junho 2017", explica Zé Silva.

O presidente da Anater, Valmisoney Jardim, destacou a importância da Agência para levar ao meio rural, políticas públicas acompanhadas de assistência técnica e extensão rural, sobretudo reduzir em 30% a inadimplência dos produtores rurais. “Qualificar todas as políticas públicas que são discutidas e criadas na Câmara dos Deputados, voltadas para o meio rural, com acompanhamento e planejamento”, explicou o presidente.

 

 

 

 

 

Fotos - http://migre.me/wD4ec 

 

plano safra

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) da Câmara dos Deputados realiza nesta quinta–feira (18) , às 9h, audiência pública para discutir questões relativas ao Plano Safra da Agricultura Familiar 2017/2018 e ao Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2017/2018. A reunião foi requerida pelo deputados Zé Silva (Solidariedade-MG).

 

"Importante discutir o tema para os segmentos ligados à agricultura brasileira e assistência técnica.Consultando as possibilidades de crédito, de mercado e as dívidas que já foram contraídas, as medidas devem estar em sintonia com o momento atual e com as demandas do setor produtivo brasileiro, propiciando  melhorias ao setor, sugerindo ao governo federal a cultura do planejamento de médio e longo prazo”, destaca o parlamentar 

 

Planos  - Os  Planos Safra da Agricultura Familiar 2016/2017 e o Agrícola e Pecuário são instrumentos para tornar efetivas as políticas econômicas e sociais do Governo Federal em benefício da agricultura familiar e agropecuária, promovendo o desenvolvimento sustentável por meio de medidas visando estimular a competitividade e o empreendedorismo. “Esse importante setor produz 70% dos alimentos consumidos pelos brasileiros todos os dias e responde por 38% da renda agropecuária, empregando cerca de 75% da mão de obra do campo”,  explica Zé Silva 

 

Convidados para participar da audiência:

 

Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi;
Secretário especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário, José Ricardo Ramos Roseno;
Presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), João Martins;
Representante da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab);
Coordenador-geral da Federação Nacional dos Trabalhadores da Assistência Técnica e do Setor Público Agrícola do Brasil (Faser);
Presidente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf);
Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag);
Representante do Banco do Brasil (BB);
Representante do Banco do Nordeste do Brasil (BNB);
Representante do Banco da Amazônia (Basa);
Representante da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer);
Representante da União Nacional de Cooperativas da Agricultura Familiar (Unicafes);
Representante da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

TAGS: agricultura, agricultura familiar, Câmara dos Deputados, plano safra,

 

 

 

 

Subcategorias